Modernos Eternos SP com Uniflex


A arquitetura moderna brasileira surge em um período em que a procura por uma identidade nacional vive o seu apogeu com a busca e incorporação de elementos não apenas na literatura como, também, na arte, nos costumes e nas influências das vanguardas construtivas europeias.

Em São Paulo, ainda no início da década de 1920, essa identidade foi aprimorada por uma elite de intelectuais e artistas cujos Manifestos tinham o intuito de opor-se à política e às contradições sociais.

Em seguida, entra em cena o Theatro Municipal de São Paulo, palco da Semana de Arte Moderna de 1922, onde Anita Malfatti e Di Cavaltanti protagonizam ao lado de outros artistas o que viria a ser a primeira manifestação coletiva e pública na história cultural brasileira.

Em 1923, chega ao Brasil o arquiteto Gregori Warchavchik, imigrante ucraniano naturalizado brasileiro, e com ele o seu manifesto ‘Acerca da Arquitetura Moderna’:

“O arquiteto moderno deve amar sua época, com todas as suas grandes manifestações do espírito humano, como a arte do pintor moderno ou o poeta moderno deve conhecer a vida de todas as camadas da sociedade (…).”

Trecho publicado originalmente em 1a de novembro de 1925 no Correio da Manhã, Rio de Janeiro.

Nos finais dos anos 1920, Warchavchik constrói as primeiras residências modernistas brasileiras na capital: a da Rua Santa Cruz, em 1928, a da Rua Itápolis, em 1929, e a da Rua Bahia, em 1930. Esta última é tombada pelas três Instâncias do Patrimônio Histórico Nacional, Estadual e Municipal, e será o cenário, neste ano, da 7a edição da mostra Modernos Eternos SP.

Destemido e valente, Sergio Zobaran, idealizador e sócio da Modernos Eternos SP e BH, é o primeiro a apostar no formato 100% digital de uma mostra de decoração, e afirma: “as real, as possible”. Afinal, vivemos um período de distanciamento físico necessário, mas a vida e os negócios precisam continuar.

Com abertura confirmada para 7 de setembro, o visitante poderá conferir e esmiuçar a Casa da Rua Bahia e seus espaços, que serão ambientados por 40 escritórios brasileiros. Outra novidade é que ela terá a participação de profissionais dos Estados Unidos, da Itália e da China.

A mostra virtual apresentará os ambientes da casa recheados do bom design, todos à venda, e uma programação cultural intensa de lives com parentes dos modernistas, marcas e gente engajada com o tema.

No quesito marcas, Uniflex entra com tudo e em todos os ambientes, e inova, ao lançar o SketchUp na Modernos Eternos. Aos profissionais de plantão, os produtos mais vendidos pela marca já estão com seus blocos 3D prontos. E, a partir de agora, todas as novas coleções serão lançadas com os seus respectivos blocos.
 
Em entrevista para a Uniflex, Sergio Zobaran nos conta como foi a decisão pelo formato digital, a escolha dos profissionais e o aceite das marcas em participar da mostra. Confira!

Foto: Ilana Bessler

Uniflex: Em tempo de pandemia, o universo on-line predominou o mercado. O Google Art & Culture, por exemplo, que já era utilizado por alguns museus e galerias de arte para exibirem suas exposições no mundo conectado, deu um salto e passou a ser utilizado por diversas instituições. Quando entramos no quesito mostras de arquitetura e design, os cancelamentos foram quase unânimes. Digo, quase, porque Modernos Eternos SP entra em cena em formato 100% digital. Como foi tomar essa decisão?
 
Sergio Zobaran: Tendo como ponto de partida o reforço à opção do digital por museus e galerias em geral, a Modernos Eternos (SP e BH), como evento cultural em que tudo está à venda, tomou a única decisão possível e necessária durante a pandemia: não parar de pensar e de fazer, acreditando e apostando num sonho “as real, as possible” via Internet.
 
Uniflex: Houve dificuldades na captação de profissionais e marcas do segmento? Como a proposta foi recebida por eles?
 
Sergio Zobaran: Buscamos e fomos procurados por profissionais e empresas que acreditam no modelo digital, e a tarefa foi cumprida de maneira orgânica e rápida, reunindo pessoas e empresas que nos acompanham e/ou quiseram entender esta nova formatação do evento que estamos aprendendo a fazer juntos.
 
Uniflex: Quantos profissionais já estão confirmados para a mostra em 2020?
 
Sergio Zobaran: A abrangência permitida pelo novo modelo nos fez viajar. Reunimos este ano 40 escritórios de dez estados brasileiros, do Maranhão a Santa Catarina, e tivemos a colaboração de profissionais de mais três países: Estados Unidos, Itália e China. Como evento multidisciplinar, trazemos as assinaturas dos 40 espaços por 60 profissionais, entre arquitetos, designers, paisagistas e artistas plásticos.
 
Uniflex: A Modernos Eternos SP 2020 já tem data marcada?
 
Sergio Zobaran: A rapidez da nossa montagem – desde sempre sem obras – e a flexibilidade que a Internet nos permite apontou para a abertura no dia 7 de setembro de 2020 esta primeira edição digital da Modernos Eternos SP. Já a de Belo Horizonte acontece em outubro e novembro. O evento de São Paulo ainda ganha este ano um “esquenta” cultural que o precede, com a série Filhos do Modernismo, por meio de bate-papos e seminários eletrônicos que apresentam este movimento mundial iniciado há quase 100 anos.
 
Uniflex: Qual é a sensação de Sergio Zobaran, sócio-fundador da marca Modernos Eternos, em ter a mostra realizada em uma das primeiras residências modernistas do Brasil, cujo projeto é de autoria do arquiteto Gregori Warchavchik?
 
Sergio Zobaran: Sinto que o nosso desejo de realizar o evento anual de São Paulo em espaços históricos e com peso arquitetônico está se realizando de forma gradual desde a escolha do Mosteiro de São Bento em 2019, e agora tendo como base real uma das três primeiras casas modernistas do Brasil. Teremos mais novidades por aí, a rechear o ano inteiro de atividades que unam o novo e o antigo para o deleite do público.

Baixe agora a edição 17 da Revista Uniflex.

Idéias, design e tecnologia em sistemas de proteção solar.